terça-feira, 24 de novembro de 2009

Olho no olho




Sua mão grossa puxava o cabelo crespo dela para trás com força enquanto ele estocava mordendo os beiços e olhando pra baixo. Adorava ver os umbigos se batendo. A direita puxava pela bunda e cintura lisa e o suor escorregava os dois de cima do tanque. O meio das costas dela batia na torneira e ela só via a luz do sol amanhecendo por entre o basculante. Ele gozou e saiu. Levantou o short e abaixou pra pegar a camisa.

Os olhos de Brás levantaram num susto – que se estendeu por longos dois segundos – enquanto ela apresentava o cano prateado da pistola dele para o meio do seu peito. Ele sorriu, tenso.

- Vai largá minha mãe e vambora agora!

Ele deu um passo pra cima dela, com as mãos pra cima.
- Vô porra nenhuma! Abaixa essa merda aí menina...

Ela não tremeu o braço. Brás ficou paralisado. Por segundos vermelhos saídos das veias do demônio ele viu a vida toda... piscou, e ela começou a tremer. Ele deu mais um passo. E outro. Já estava com o peito colado no cano quando disse:

- Tu num vai atirá nos meus peito me olhando nos olho!

Ela deu um passo para trás, abaixou o braço, a arma, o corpo. Caiu sentada no sofá, a pistola entre as mãos, a cabeça entre os joelhos.

Ele era rei. Vestiu a camisa, virou de costas e foi pro banheiro.

- Blam!

Entre a cintura e a bunda. Ele dobrou o joelho e enfiou a cara na porta do banheiro com tudo. Se tremia e balançava mordendo o beiço, com os olhos apertados. O sangue escorria quente e ela achou que ele se contorcia engraçado.

- Caralho Marieta... larga essa porra e pega a chav...

- Blam! Blam!

No rim e no meio das costas.

- É, não ia dá pra olhá nos teus olho mermo.

Conto e Receita: Renato Kress

11 comentários:

Maria luisa disse...

Já não aguentava mais esperar pelo conto...rs, adorei e como sempre ta de parabéns!

AMANDA disse...

Muito bom o conto.
Me fez ler duas vezes porque achei bastante curioso.
Parabéns!

lissa disse...

intenso e bem excitante!!
adorei..rs

ânja disse...

Bhamm!
não dava pra olhar nos olhos mesmo!
A coragem de ter coragem... desencorajante...
muito bom texto...
e o café...

ânja disse...

vou ter que enviar pra umas amigas... gostei tanto...

Rafaela Gama disse...

Ai Renaaaaato, ke conto foooorte esse :O

Ana Cláudia Alves disse...

Adorei, adorei o vocabulário dos personagens e sinceridade que eles passam no desenrolar do diálogo.
Muito.
Obrigada.

Ana Cláudia Alves disse...

Adorei, adorei o vocabulário dos personagens e sinceridade que eles passam no desenrolar do diálogo.
Muito.
Obrigada.

Mariana disse...

Ahahahahhahahha!!!! que final surpreendente. TRÁGICOOO! uy! o engraçado é que o conto me estimulou a focar em um caminho, só que daí, ele me mostrou que a direção não era bem aquela que eu imaginava (rsrsrs), então me conduziu a outro, foi então que executei o desvio de rota... ;) e guess what! captei a mensagem. Excelente conto, Renato Kress. Adorei, parabéns!

Unknown disse...

Moral da história:
Nunca deixe uma menina sem gozar!

Mauro spacenkopf disse...

Moral da história:
Nunca deixe uma menina sem gozar!

Se você pudesse transformar 12 contos do Café com Conto em curtas-metragens, quais seriam?